quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Análise Bayonetta: A majestade dos Hack and Slash

Bayonetta é sem sobra de dúvidas uma obra-prima do gênero Hack and Slash e que infelizmente fui jogar anos depois de seu lançamento, mas antes tarde do que nunca. Bayonetta é um show de carisma, exagero, sensualidade e possui um combate saboroso com o selo PlatinumGames de qualidade e assinado por nada mais nada menos que Hideki Kamiya, isso mesmo, o criador de Devil May Cry.

Lançado em 29 de outubro de 2009, a aventura da nossa amada bruxinha foi aclamada pela mídia especializada, chegando a ser considerado um dos melhores jogos do gênero. Chegou a hora de relembrarmos um pouco desse game maravilhoso que marcou a 7° geraçaõ de consoles e conquistou seu lugar ao sol junto com outras grandes obras da indústria dos games

Combate agressivo e elegante

Não tem como iniciar essa análise sem antes rasgar elogios para o seu combate impecável. Ele é simples o suficiente para os novatos do gênero se habituarem sem muita dificuldade e denso o suficiente para os veteranos se esbaldarem criando combos logos e absurdos.

As batalhas contra as criaturas inimigas é dinâmica e inteligente, e requer a atenção do jogador sempre. A esquiva é uma peça essencial para o êxito nas lutas, pois sem o bom uso dela, a progressão é quase impossível e frustrante. Se usada no momento certo, você terá acesso ao Witch Time, uma habilidade que desacelera o tempo e abri brechas para um belo contra ataque.


Em Bayonetta, o jogador poderá ter acesso a um grande arsenal de armas que pode ser desbloqueadas ao encontrar fragmentos de discos, vai de armas de fogo até um chicote de serpente. Essas armas podem ser equipadas nas mão e nos pés, e você pode criar dois sets de armas e alternar entre os dois a qualquer momento, inclusive no meio de combos. Ainda há a possibilidade de configurar os sets de armas a qualquer momento. Essa liberdade de escolha motiva o jogador a abusar mais nas combinações. E vale mencionar que é muito divertido testar cada uma delas.

O seu maior inimigo durante toda a aventura é a câmera. Você tem a opção de mirar em um inimigo, mas nem sempre ele estará a vista. Esse com certeza é o maior defeito dessa . É frustrante tentar manter os inimigos em seu campo de visão e ser presenteado com uma câmera teimosa que não esta muito a fim de monstra certo local. Jogando no Hard, onde o número de inimigos é maior e o timing de ataques deles são menor, o problema fica ainda mais grave.


Devil May Cry com bruxas?

Não tem como negar a semelhança com Devil May Cry, como já mencionado no início, ambos os jogos são criações de Hideki Kamiya, mas vamos deixar bem claro. Bayonetta não é uma cópia descarada Devil May Cry, porém você consegue sentir aquela mesma essência presente nas aventuras de Dante no combate enérgico, o estilo debochado da Bayonetta e também nas extravagâncias, como lutar em cima de um míssil. Mesmo com toda essa semelhança, Bayonetta ainda é uma aventura legitima e com seus méritos.

Veredito

Bayonetta foi o título que colocou a PlatinumGames no radar mundial da indústria. Depois de desfrutado horas e horas de gameplay, eu passei a compreender todos os analistas que o apontaram como um dos melhores jogos gênero. O combate impecável e dinâmico, a excentricidade do universo do game e a protagonista carismática fazem de Bayonetta um jogo memorável e que vale a pena ser revisitado.

Pra quem nunca jogou Bayonetta, seja por nunca te tido a oportunidade ou até mesmo por preconceito pelas suas semelhanças com Devil May Cry, recomendo que de uma chance. Amenos que você não curta jogos de hack and slash, Bayonetta irá te conquistar.



Pra quem está afim de jogar, Bayonetta está disponível para PS3, Xbox 360, PS4, Xbox One, Switch e PC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário