segunda-feira, 7 de setembro de 2020

O injustiçado Yakuza (PS2)

Yakuza (ps2)

Yakuza é uma franquia de extremo sucesso no Japão e vem conquistando cada vez mais o público ocidente com seus diversos jogos, mas o assunto aqui é sobre o projeto ambicioso e arriscado de Toshihiro Nagoshi que estourou orçamento várias vezes e deu origem a isso tudo.

Yakuza (ou Ryu Ga Gotoku) foi desenvolvido e distribuído pela SEGA e teve seu lançamento para PS2 em dezembro de 2005 no Japão e acabou fazendo um enorme sucesso. Com as boas vendas na terra do sol nascente, a SEGA decidiu leva-lo para o resto do mundo, então em dezembro de 2006 Yakuza foi lançado mundialmente com requintes de super produção, contando até com Mark Hill (eterno Luke Skywalker e lendário dublador do Coringa) que foi a voz de Goro Majima.

O primeiro capítulo da saga Kiryu Kazuma até que foi bem recebido pela crítica especializada, mas acabou se saindo mal nas vendas. Nós do Esquilo Biônico decidimos dissecar e analisar esse ponto de partida dessa franquia incrível para dar o nosso veredito.

Seja bem vindo a Kamurocho

Diferente dos “GTAs da vida”, Yakuza não possui um mapa gigantesco, possibilidade de roubar carros e motos e de sair arrumando confusão com qualquer um na rua. Yakuza possui um mapa modesto, pra ser mais exato, o jogo inteiro se passa em um bairro fictício chamado “Kamurocho”, inspirado em um bairro real de Tóquio chamado Kabukisho, bairro conhecido pela sua atividade noturna.

Com um mapa menor, Yakuza se destaca pela quantidade de atividades espalhadas pelo mapa. Você pode ir a um casino jogar umas partidas de Blackjack, rebater umas bolas, se divertir em cabarés e mais um monte de atividades espalhadas por Kamurocho.

Andando pelo mapa você pode ver pessoas andando pela cidade vivendo as suas vidas e você ainda pode até conversar com com alguma delas. As missões secundarias ajudam a dar mais vida a todo aquele lugar, elas são coisas como ajudar uma garota que esta sendo assediada, recuperar seu dinheiro roubado e por aí vai, dificilmente você se vera sem nada para fazer.

Combate morno no inicio, mas que esquenta com o tempo

O combate do primeiro Yakuza não é nenhum primor da indústria, na verdade, no inicio chega a ser frustrante. A ausência de golpes horizontais e o dash ruim deixam a luta engessada e um tanto quanto entediante no começo. Pra piorar ainda mais a situação, o controle da câmera durante o combate é péssimo. Não é possível controlar a câmera com o analógico direito, para mudar a posição da câmera é necessário apertar o R2 para que a câmera vire para onde Kiryu está olhando, algo que ainda existe na franquia, mas não é mais o único recurso para mover a câmera.

Yakuza (ps2)

Conforme você progride no jogo, Kiryu vai ganhando mais recursos como golpes horizontais, melhorias no dash, e também várias habilidades de contra-ataque. Com isso, a frustração passa a dar lugar diversão. Ainda sim, vale ressaltar que o combate de Yakuza possui sua falhas, mas ainda assim rende bons momentos de diversão.

Um dos grandes destaques de Yakuza é sua história repleta de reviravoltas e momentos emocionantes, embora alguns momentos da trama sejam um pouco previsíveis, a história continua sendo um prato cheio que irá te surpreender. 

O grande jogo, mesmo com ressalvas

Yakuza grande titulo injustiçado do PS2, graças a sua recepção calorosa no Japão, a franquia continuou seguindo e hoje ela vem conquistando de pouco a pouco os jogadores pelo mundo.

Se você ficou interessado e quer vivenciar a história de Yakuza de uma maneira mais moderna e mais completa, saiba que existe um remake chamado Yakuza Kiwami. No remake a história do Yakuza original é expandida com trechos inéditos, mais missões secundarias, mais atividades pelo mapa e com um combate robusto baseado no de Yakuza 0.


 Leia Também

Nenhum comentário:

Postar um comentário